quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Tudo o que os homens e as mulheres deveriam saber uns sobre o outros



Li este artigo na revista  ACTIVA  e decidi publica-lo.
Muito útil!!! 
Tentar compreender os homens e as mulheres, uma tarefa bastante complicada. 





" O que eles deveriam saber..."
 
Sim, gostamos que nos ofereçam flores. É assim tão difícil de perceber? 
 
Se gostaram mesmo de nós, por que é que não nos telefonam logo no dia seguinte? Se não telefonarem, pensamos que afinal não querem nada. Atenção: se nos telefonarem três dias depois, está TUDO estragado. Mas basta ligar uma vez, ou deixar mensagem. Nada de atacar com três ou quatro telefonemas. Logo no primeiro encontro, se houver interesse, é bom que marquem novo encontro. Se interessar, a resposta será qualquer coisa como: "quarta-feira saio mais cedo, podemos jantar." Se não quisermos, a resposta será: "Um dia destes. Depois falamos." E um 'não' é um 'não' mesmo, não é uma mulher que se está a fazer difícil. Se não atendermos o telemóvel três vezes seguidas, é porque não estamos interessadas. Excepções: a) Não pagámos a conta, b) Fomos raptadas por terroristas.  mesmo!!! LOL

Homem que é Homem abre a porta do carro, paga a conta da primeira vez, e não deixa uma senhora no meio da noite abandonada na rua. Não é questão de etiqueta: essas pequenas coisas provam que não se é desleixado, forreta nem narcisista. A minha veia despachada dispensa estas coisas

As mulheres não são misteriosas nem querem dizer uma coisa diferente do que aquela que dizem. As mulheres dizem exactamente o que pensam, os homens é que não gostam de ouvir.

Odiamos homens a cheirar a cavalo e que não trocam de calças há três dias. Gostamos de homens que tenham pente e banheira em casa e lhes dêem uso. Cabelo comprido, tenham paciência, é para nós.

As mulheres gostam de homens que gostem de mulheres. Nem todos os homens que gostam de mulheres gostam de mulheres. Quer dizer, nem todos os heterossexuais gostam genuinamente de conversar com as mulheres e de as ouvir e de as apreciar. Observem o modo de actuação de um mulherengo. Segredo principal? Gosta genuinamente da companhia das mulheres. Atenção: as mulheres não gostam de homens que gostem de todas as mulheres. Acham logo que, se qualquer uma serve, elas não são qualquer uma.

As mulheres não gostam de homens que se armam em bons. As mulheres gostam de homens que tratam bem os velhinhos, os cãezinhos, as crianças, as tias e os empregados do restaurante.

A cabeça continua a ser o orgão sexual mais apelativo para as mulheres. Quase nunca nos apaixonamos por homens bonitos: apaixonamo-nos por tipos inteligentes e misteriosos. Não podem é ser gordos nem sebentos.

Não somos naturalmente magras e 90% de nós tem celulite. Se isto vos faz impressão, apaixonem-se por uma vassoura. LOL

As mulheres NÃO gostam de filmes de acção. As mulheres estão-se nas tintas para um filme onde o único argumento é saber se um camião vai ultrapassar um tractor a jacto. Nada com uma bela comédia romantica ou um belo drama.

90% das vezes em que eles acham que estamos a sofrer de síndroma pré-menstrual, não estamos. Estamos mesmo chateadas.

Conversas sobre se o Benfica vai passar à segunda divisão interessam-nos zero. As mulheres também não querem saber todas as histórias da tropa deles, da altura em que eles foram paraquedistas em Tancos, nem a história dos amigalhaços que fizeram a recruta com eles, como o Malaquias que era de Almeirim e tinha de pôr pensos higiénicos nas botas. Também não nos interessa como é que arranjaram o cano que puseram debaixo do lava-loiças. Faça e cale, é o ideal. A mim interessa-me um bocado

Um homem tem de servir para alguma coisa: conversar, cantar-nos para adormecer, ler-nos Shakespeare em voz alta, levar o carro à revisão

Saltos altos são brutalmente desconfortáveis. Sobre este assunto já disse o que tinha a dizer

A mania dos grupos é fatal. Mas a mania das saídas exclusivas em parelha também. Há que encontrar um equilíbrio entre os momentos a sós e saídas com outras pessoas.  Concordo, nada como o equilíbrio

Ao contrário do que se pensa, nós somos muitíssimo fáceis de contentar. A sério. Basta que nos amem honestamente e não olhem para o lado enquanto conversam connosco.

Quando perguntamos se eles tiveram um bom dia, não queremos realmente saber por que é que o Teixeira das finanças não gosta do Pereira da contabilidade. As mulheres não têm paciência para jogos de poder. O que nós queremos saber é se pensaram em nós durante o dia, e, quando muito, se o Teixeira anda a 'comer' a Sãozinha do marketing.

Adoramos beijos no pescoço (beijos, não chupões) mas a maioria prefere dar-nos calduços na cabeça e chamar-nos 'miúda'. Odiamos que nos chamem 'miúda'. As mulheres gostam de ser tocadas com suavidade. Além disso, os pontos de prazer não estão onde eles pensam que estão. A penetração geralmente não adianta grande coisa se não souberem onde é que fica o clítoris. Esqueçam acrobacias no telhado. A maioria das mulheres não está de facto interessada no 69 e prefere fazer amor confortavelmente. Uma rapidinha não nos diz nada. Por que é que nunca ninguém fala numa lentinha? Outra coisa: nós levamos mesmo mais tempo a chegar lá.

Odiamos homens que apitam aos outros na estrada. E daqueles que de repente desatam a andar a 210 para mostar como são viris e dominam a máquina. Ficamos imediatamente a achar que são primários, enquanto eles ficam a pensar que nos impressionaram.  Não façam isto por favor, é pior que há.

Nós não somos mães deles.

Precisamos de espaço de vez em quando. Sozinhas. E não, não é porque deixámos de gostar deles e andamos a pensar trocá-los pelo Pereira da contabilidade.

As mulheres não podem esperar para ser mães enquanto eles se decidem se será mesmo aquela ou não a mulher da vida deles. Decidam-se ou saiam de cima. As mulheres não podem ter o primeiro filho aos 63 anos.

Não somos fixas, e isso é bom, e não é preciso passarem a vida a stressar porque ontem gostávamos de caril de frango e hoje já não. É a vida. Apanhem a onda e sigam.

Fingimos acreditar em metade das petas que eles contam. Mas vamos vingar-nos assim que pudermos e eles não vão ficar a saber.

Gostam de nós? Lutem por nós. As mulheres odeiam bananas e têm um enorme respeito pelos que arriscam levar tampas.


Elas nao percebem que...

Os homens nunca crescem. Se em crianças queriam ter a sua colecção de berlindes, os seus carrinhos, uma bola de futebol e uma bicicleta, em adultos é a mesma coisa, os brinquedos é que mudam. É o carro topode gama, a aparelhagem xpto, a televisão e o computador última geração, a par de CDs, DVDs, livros, e outros gadgets. Alguns, mesmo estando curtos de dinheiro, preferem comprar um leitor de CDs novo, por exemplo, a ter leite no frigorífico para dar aos filhos.

Os homens precisam de espaço (onde é que já ouvimos isto?). Para ouvir a sua música, ler o seu livro ou jornal, ver os seus filmes predilectos sem interrupções. E à medida que a idade avança, esse espaço torna-se mais importante.

Não percebemos para que é que serve aquela amiga que está sempre lá caída em casa a ter sempre as mesmíssimas conversas e a passar-lhes a mão pelo pêlo. A nós, os amigos consolam-nos a levar-nos para os copos a falar do Mourinho ou da loira do 2º andar, não a ter conversas da treta.

Celulite, só notamos se for muita e mal amanhada. Porque é que elas usam aquelas calças de terylene que dá para se ver tudo tipo cordilheira dos Andes? De resto, não damos por isso. Sinceramente.

Achamos extraordinárias as mulheres desinibidas. Não temos paciência para andar a engonhar. Ou temos aquela paixão desvairada por alguém e somos capazes de estar um mês à espera que ela se decida e aí pode engonhar à vontade que isso nem nos afecta, ou então, se é só para curtir e elas não alinham, mais vale ligar o canal 18.

Achamos fantástico mandar flores mas tem de ser com um objectivo. Gostamos de mandar flores quando queremos, não com data definida. A gente até se esquece da data em que os nosso pais fazem anos. E não é por mal. É porque o importante é gostar das pessoas, não ter de andar constantemente a provar o nosso amor. Que seca.

Achamos sempre que 'os homens' não somos nós.

Não gostamos de comprar presentes mas depois gostamos de os receber. É triste mas é verdade.

Odiamos a maldita da amiguinha, que está em todo o lado colada a ela!

Não nos chateia o papel protector, não nos chateia aquela aura quase de pai que temos em relação à mãe ou namorada, mas isso quando é uma situação pontual. Uma dependência constante é um peso e um sufoco.

Contrariamente ao que elas pensam, não nos importamos nada que elas levem o carro. Regra geral, não confiamos em ninguém a conduzir além de nós, mas se nos aparecer uma que conduza bem, não nos importamos nada. Mas é raro elas quererem conduzir. Conheço para aí 3 em 500. Até nos emocionam as mulheres que gostam de conduzir.

Adoramos comer e apreciamos uma boa cozinheira. Pronto, vocês querem, nós confessamos. Não quer dizer que o caminho para o coração ainda passe pela comida, mas uma das alamedas vai lá dar. Coisas que nós não nos importamos de fazer em casa: lavar a loiça, aspirar, fazer a cama, fazer bricolage, fazer qualquer coisa com pincel e tinta. Coisas que não fazemos: arrumar o que quer que seja (não percebemos sinceramente qual é o objectivo), mudar fraldas ao bebé (só as mães é que conseguem) e pôr a funcionar a máquina de lavar, embora depois a maioria mexa com o programa mais avançado do Windows. Provavelmente é porque não queremos aprender. Nunca sabemos se o líquido entra na gavetinha da esquerda ou da direita.

Adoramos viajar, adoramos mulheres que saibam reagir por impulso, adoramos estar a falar com alguém e de repente ir almoçar a Braga. Mas a maioria das mulheres nem quer ouvir falar nisso, ou tem de voltar a casa para fazer a mala como se fosse três semanas para a Gronelândia.

Gostamos mesmo de futebol, não estamos a fazer de propósito e a trocar-vos pelo Figo. Ir para um estádio e libertar o stress chamando nomes ao árbitro é um motivo de satisfação. E mandar umas bocas a defender o nosso clube faz parte da nossa identidade.

Odiamos mulheres que andam sempre em cima com telefonemazinhos e bilhetinhos e perguntinhas, "Então queridinho, tomaste o pequeno-almocinho, comeste a sandezinha que te deixei na mesinha?" Ou que nos façam grandes cenas porque chegámos dois minutos atrasados a casa.

Traições em pensamento para nós não são traições. Quando dizemos: "Que pernas que tem aquela" não estamos a dizer: "Quero casar com ela amanhã", mesmo que nos passe pela cabeça ir com ela para o parque de estacionamento do Íbis amanhã, mas mesmo assim isso não quer dizer que se queira casar com ela. Reparar numa bela mulher que passa na rua é uma reacção perfeitamente natural. E não precisa de ser loura. O homem é apreciador por natureza e, regra geral, não tende a comparar nem a criticar. Apenas admira.

Ter de fazer a barba todos os dias é complicado: Não sabemos como é a vossa depilação mas nós costumamos ficar com a pele da cara dorida, especialmente quando chega a sexta-feira.

Não concebemos como é possível passar uma tarde inteira num centro comercial a correr 30 lojas quando se pretende comprar um determinado produto. Os homens são mais práticos. Vão a uma loja, escolhem o produto em 5 minutos e o resto da tarde já pode ser aproveitado a beber uma boa imperial numa esplanada.

As mulheres não sabem como alguns homens lidam mal com o machismo (numa perspectiva histórica). As mulheres não sabem o quanto sofremos para as amarmos (à nossa maneira, claro). Até trocávamos alguns segredos masculinos pela partilha da fórmula mágica do 'como e quando eu quiser', que é o maior e mais sedutor exclusivo feminino. Aqui vai um: os homens também têm sexto sentido...

Se querem alguma coisa de nós, por favor peçam! Digam-nos! Falem connosco! E por favor não façam perguntas como: "Preferes o vestido preto ou o vermelho?" se já tomaram a vossa decisão há séculos e só querem alguém que acerte magicamente na resposta certa. E por favor ouçam-nos de verdade, e não inventem romances por cima. Geralmente, nós dizemos aquilo que queremos dizer. Não sejam demasiado subtis e não se ofendam demasiado depressa: lembrem-se que nós somos básicos!

Os quatro maiores desejos de todo o homem é encontrar uma mulher que cumpra os seguintes requisitos: 1) organize lanches-supresa com os melhores amigos (dele) nos dias de futebol e das corridas de fómula 1, com cerveja gelada e petiscos. 2) Saiba fazer o nó da gravata. 3) Desafie o seu homem para um passeio de BTT pela Serra, carregando a mochila com latas de cerveja às costas para uma paragem romântica. 4) Saiba conversar sobre novas tecnologias, DVDs, máquinas digitais, etc. (Nota: As moelas e o nó da gravata ainda vá, mas jamais nos apanharão a subir a serra com cervejas às costas.)
Não respondo. A última coisa que nós queremos é que as mulheres fiquem a saber os nossos segredos. Era o que faltava. ..."

1 comentário: